Azahar, a COP26 e o chiste mundial

Antenor de Oliveira Aguiar Netto
antenor.ufs@gmail.com
Professor do Departamento de Engenharia Agronômica da UFS, Coordenador Geral do Projeto Azahar: Flor de laranjeiras
Livro Azahar Flor de Laranjeiras

AGUIAR NETTO, Antenor de Oliveira; COSTA, Patrícia Rosalba Salvador Moura; SANTOS, Thadeu Ismerim Silva. Azahar: Flor de Laranjeiras. Aracaju: Criação Editora, 2021.

“Um fracasso retumbante”, escreveram alguns; um monte de “blá, blá, blá”, falaram outros, “um sucesso parcial” foi o escrito pelos mais otimistas. Esses foram os comentários sobre o acordo final da COP 26, reunião de 130 países a respeito de medidas para minimizar os prejuízos das mudanças climáticas para o Planeta Terra, que ocorreu em Glasgow na Escócia, durante os 12 primeiros dias de novembro de 2021.

Durante a tarde do décimo primeiro dia do mês de novembro, na Reitoria da Universidade Federal de Sergipe, lançamos o livro Azahar: Flor de Laranjeiras. Nesse momento, registramos que o lançamento do livro se configurava como o ato final do projeto de mesmo nome, realizado pela UFS e Fundação de Apoio à Pesquisa e Extensão de Sergipe, em parceria com a Petrobras.

Dentre as muitas atividades que trabalhamos nos últimos 3 anos, destacamos aqui a restauração florestal de 11,14 hectares de mata ciliar do rio Cotinguiba no município de Laranjeiras-SE, o que significa o plantio de 10.123 mudas de 28 espécies vegetais da mata atlântica. Nesse ínterim, registramos que, um dos poucos avanços da COP 26 foi o compromisso de 130 países em zerar o desmatamento até 2030; entre esses, o Brasil foi signatário desse acordo mundial. Aqui é a broma! Calma, Calma, Calma querido leitor e leitora. O humor não está no acordo da fracassada COP 26 nem na restauração florestal. Viramos piada mundial porque ninguém ou quase ninguém acredita no atual Governo Federal que se instalou nos tristes trópicos, com exceção do fiel rebanho de ruminantes que continua a pastejar e devorar a floresta amazônica.

Entre 2019 e 2020, de acordo com o levantamento publicado no Atlas da Mata Atlântica, o Brasil perdeu cerca de 13 mil hectares da Mata Atlântica. Restaurar, recuperar e mesmo refletir sobre o meio ambiente é complexo, especialmente nos trópicos dos tempos presentes, mas é preciso estarmos atentos à máxima de que vida é abundante e, sobretudo, necessita de tempo para vegetar, florescer e frutificar. Aliás, foi a partir do mito de Persofone, a deusa das Flores da antiga Grécia, mito que explica o ciclo das colheitas e estações, que apresentamos o Livro Azahar Flor de laranjeiras, obra que congrega em sete capítulos os trabalhos sobre educação ambiental. O projeto desenvolveu ações que chegaram a mais de 6000 pessoas.

Desejamos aos leitores que floresçam de ideias e amor pela causa ambiental ao ler ou apreciar as fotografias do livro Azahar Flor de Laranjeiras. Abraços e mantenham o bom humor! Deixem o gado ruminar!


Postagens Relacionadas

Azahar, a COP26 e o chiste mundial
Marighella: eu sou brasileiro!!!!!
A criação do SESP e a saúde pública atualmente: o que aprendemos?