A derrubada de estátuas de racistas e a narrativa branca nas mídias.

  • por

Janaina Cardoso de Mello

Doutora em História Social (UFRJ)

Professora DHI-UFS e ProfHistória/UFS

Vice-líder do Grupo de Estudos do Tempo Presente (GET/UFS)

O assassinato de George Floyd, em 25 de maio, em Minneapólis (EUA), pelo policial branco Derek Chauvin, fez eclodir protestos antirracistas em vários países. As marchas contra a violência do Estado acompanham a derrubada de homenagens, em espaços públicos, aos escravocratas do passado.

Nos EUA, a estátua do Presidente da Confederação, Jefferson Davis, em Richmond, Virgínia, foi lançada no lago. Em Boston, Massachusetts, a estátua de Colombo, do Parque Byrd, foi decapitada em razão dos danos aos povos indígenas. Na Inglaterra, em Bistol, a estátua do traficante de escravos Edward Colston também foi atirada ao rio. Em Portugal, a estátua do Padre António Vieira, no Largo Trindade Coelho, em Lisboa, teve a palavra “descolonização” pintada a vermelho.

Estudiosos do patrimônio cultural de longa data como Cristina Meneguello (Unicamp) sabem o quanto a história é dinâmica, sujeita a rupturas, mudanças, sendo fundamental a reflexão crítica das memórias em sua salvaguarda e formação identitária, principalmente através do Ensino de História e Educação Patrimonial.

No Brasil, uma lista de “monumentos para demolição” circula nas redes sociais incluindo a estátua de Borba Gato e o Monumento aos Bandeirantes, ambos em São Paulo. Ainda nas redes, historiadores expressam apoio à destruição. Migram de “textos no Facebook” para veículos de imprensa nacionais e internacionais.

Destes, 90% jamais pesquisou ou publicou sobre temas do patrimônio cultural e deles, 80% são homens e brancos. O Currículo Lattes (CNPq) dos perfis revela um “senso de oportunidade” midiática, uma vez que a narrativa deste momento deveria ser assumida por intelectuais negros e estudiosos do tema e não, mais uma vez, se concentrar na escrita de historiadores brancos.

A filósofa Djamila Ribeiro (2017), com o conceito de “lugar de fala”, criticou uma história desumanizadora da população negra, principalmente da mulher negra. O racismo como protagonista do cenário social, não a deixou ser ouvida, nem suas biografias e bibliografias serem vistas.

Ocupar as mídias é importante, todavia, indicar um historiador negro e/ou pesquisador do patrimônio cultural para o foco de luz reflete um “senso de honestidade acadêmica” do qual não podemos nos furtar se queremos uma transformação na escrita da história negra e dos monumentos urbanos patrimonializados.

Os veículos de imprensa são monopolizados por grupos sociais brancos. Apoiar a mudança social antirracista é também afirmar uma necessária mudança estética para que vozes negras ressoem em jornais, rádios e TVs, sem o espólio de “porta-vozes” brancos.

Leiamos Aline Montenegro (MHN/UniRio), Ana Flávia Magalhães (UnB), Lucilene Reginaldo (Unicamp), Giovana Xavier (UFRJ), Luciana Brito (UFRB), Pâmella Passos (IFRJ), Suzane Jardim (UFABC) e outros intelectuais em uma narrativa histórica da comunidade negra, escrita na vivência, segundo Chimamanda Adiche (2019).

Uma derrubada de estátuas que não acompanhe mudanças de posturas, promoção à Educação antirracista e representatividade negra nos espaços intelectuais, profissionais, socioeconômicos, políticos e culturais/midiáticos de importância, como apontou Joice Berth (2019) sobre “empoderamento negro”, será somente discurso, nada mais.

Originalmente publicado em: https://infonet.com.br/blogs/a-derrubada-de-estatuas-de-racistas-e-a-narrativa-branca-nas-midias/ em 18/06/2020

Sobre a Imagem: Imagem de Banksy, 2020 Acesso em: UOL. Banksy aborda racismo em nova obra e sugere eternizar derrubada de estátua. 09/06/2020. Disponível em: https://entretenimento.uol.com.br/noticias/redacao/2020/06/09/bansky-aborda-racismo-em-nova-obra-e-sugere-substituir-estatua-derrubada.htm, acesso em: 09/06/2020


Posts Recentes

A Jihad através de views: os usos da internet por grupos jihadistas
A Jihad através de views: os usos da internet por grupos jihadistas
“A Dois Passos de Wakanda”: Uma proposta para Consciência Negra no Ensino de História
“A Dois Passos de Wakanda”: Uma proposta para Consciência Negra no Ensino de História
A Covid-19 e o “novo normal”
A Covid-19 e o “novo normal”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *