Pular para o conteúdo

GET

A moderna concepção de história e um “deixa pra lá”

Anita Lucchesi
Doutora em História pela Universidade de Luxemburgo/Centro para História Contemporânea e Digital

Naufrágio de um Cargueiro. Óleo sobre tela de William Turner, 1810. Disponível em: https://artsandculture.google.com/asset/naufr%C3%A1gio-de-um-cargueiro/sQGKScWwUEhaOw?hl=pt-PT

No último domingo de Páscoa, a existência de mais de 10 mil horas de gravações de sessões da Corte militar entre 1975 e 1985 vieram à tona. Os áudios comprovam que, mesmo após a constatação dos ministros militares sobre a ocorrência de atos de tortura durante a ditatura, nenhuma ação foi tomada. O historiador Carlos Fico, que entregou os áudios à jornalista Míriam Leitão, responsável pela divulgação do material, comentou na mídia sobre sua extensa pesquisa com os registros. Dois dias após a divulgação dos áudios, o Presidente do Superior Tribunal Militar (STM), Luis Carlos Gomes Mattos, disse que a revelação do domingo “não estragou a Páscoa de ninguém”. E ainda reforçou: “A minha não estragou”. No Correio Braziliense de 19/04/2022, é Michelle Portela quem transcreve o dar de ombros de Mattos: “disse ainda que esse “vira e mexe” incomoda e que “só varrem” o passado de “um lado”. “Não varrem o outro [lado]. É sempre assim. Nós estamos acostumados com isso. Então, deixa para lá.” – mesmo já estando no título, vale destacar de novo o “deixa pra lá”.

Em seu livro Entre o Passado e o Futuro, publicado em 1961 pela Viking Press, a filósofa alemã Hannah Arendt (1906-1975) destaca o esvaziamento do protagonismo das ações humanas e dos eventos particulares em função de uma concepção específica da história, qual seja, a concepção moderna.

A concepção moderna, segundo Arendt, encara a história como um processo quase natural, algo que se movimenta autonomamente para um télos, uma história que não se detém às ações das pessoas para entender política, mas sim ao conjunto de acontecimentos representado por um certo “todo”. Caracterizado por essa concepção processual, esse todo se moveria, por natureza, estando além e independente das particulares contingências das situações, escapando, assim, do domínio dos homens e mulheres. Logo, a história, enquanto processo, seria supra e transcendente às ações humanas e aos eventos cotidianos, uma grande engrenagem independente das partes menores do processo. Mas a que atitudes essa concepção pode levar?

A filósofa argumenta que, nesse modo de entender a história, é como se os eventos perdessem o seu vigor porque a história já estaria de alguma forma tramada e as pessoas sofreriam os seus efeitos, ao invés de nela agir. Nessa forma de conceber a história, esse aspecto de “naturalidade” irá, de certo modo, banir dela aquilo que Arendt chama “imprevisível”, fazendo com que se acreditasse numa suposta previsibilidade generalizada. É como se fossem realizáveis “leis históricas” capazes de sistematizar a exploração deste processo e torná-lo não só compreensível, mas previsível, em detrimento de toda sorte de factualidade. Podemos imaginar que essa grande engrenagem não permitia nenhum entrave em seus mecanismos, nenhum imprevisto. Mas a experiência vivida, globalmente, sugere mais atenção.

Essa forma de tratar a história como independente do factual (algo que já estaria traçado e “funcionando” de acordo com esse processo implacável) tem consequências sérias. Algumas destacáveis como os regimes totalitários do século XX, tema sobre o qual a segundo intelectual alemã teceu muitas considerações. Explicando: aceitar a história como esse “ente” superior ao homem é como relegar a experiência humana ao “correr solto”, pois a presença de regras e o respeito ou desrespeito a elas seriam indiferentes na concepção processual da história, na qual o todo é imutável em relação às pequenas e particulares ações das pessoas. Isso alteraria o modo dos indivíduos compreenderem o mundo e atuar nele. Para Arendt, esse novo relacionamento se daria na forma de mudanças na moral e na política. E aí toca-se num aspecto nada desprezível no nosso tempo presente. O comprometimento humano seria reduzido e fragilizado, enquanto a moral seria afetada por uma grave crise ética e isso seria causado pela drástica redução ou ausência do senso de responsabilidade das pessoas em relação ao “todo” que então significa a história. E já que, assim sendo, a história não está mais atrelada às ações humanas, perde-se o sentido para qualquer comprometimento ético com ela.

O ponto nevrálgico apontado por Arendt dentro dessa concepção moderna de história é que “isenta” de responsabilidades e, com seu código de ética fortemente abalado e corrompível, a humanidade se permitiu cometer e assistir a experiências injustificáveis, a exemplo do que assistimos no funcionamento dos regimes fascistas. Em seu livro Eichmann em Jerusalém (1963), sobre o julgamento dos crimes contra a humanidade pelos quais fora acusado Adolf Eichmann, tenente coronel da Alemanha nazista, Arendt utilizou um subtítulo bem expressivo a este respeito: “um relato sobre a banalidade do mal”. No Brasil, que ainda coloca a democracia na berlinda, quem tem acompanhado as reações recentes sobre os áudios STM talvez se surpreenda ou lamente a atualidade da expressão de Arendt.

Originalmente publicado em: https://infonet.com.br/blogs/getempo/a-moderna-concepcao-de-historia-e-um-deixa-pra-la/ em 22/04/2022


Postagens Relacionadas

“Sport contra o eixo”: o que observar nas transmissões de futebol?
O duplipensar na distopia política brasileira
Independência ou morte: qual país desejamos construir?